CALDAS NOVAS - GO

            Fiquei um tempo pensando se eu iria ou não escrever sobre Caldas Novas... Vou a Caldas anualmente há mais de 30 anos e não tem nada de muito novo pra mim.  Pensei e decidi que deveria escrever exatamente por esses motivos. Então, compartilho aqui nossa última viagem à famosa cidade das águas termais em julho de 2015. Nós conhecemos bastante o lugar para contribuir com dicas que podem fazer uma viagem com crianças a Caldas um destino bem legal!

            A primeira dica que eu dou para quem estiver saindo de Brasília, é pegar a BR 060 em direção a Goiânia, é mais longo, no entanto, mais seguro e mais gostoso de viajar. A estrada foi privatizada, está quase toda duplicada e tem até dois pedágios entre Brasília e Goiânia. É engraçado que o Waze sempre insiste no caminho via Luziânia, que é 80 km mais curto, mas com pista simples durante o percurso inteiro e altos índices de acidentes. Pela BR 060 ainda tem a possibilidade de uma paradinha no Jerivá, perto de Abadiânia. É uma parada tradicional dos brasilienses, a comida da lanchonete é deliciosa e o banheiro sempre limpinho. Vale a pena parar. Tem um pão de queijo e um suco de laranja maravilhosos, entre outras opções igualmente gostosas!  Coloca o Waze para navegar pra Caldas Novas somente quando estiver chegando a Goiânia, assim ele vai entender o caminho que você escolheu e no restante do pode confiar nele.

            Caldas Novas é famosa por suas piscinas de água quente. Todos os anos a cidade recebe mais de 3 milhões de turistas e é considerada a maior estância hidrotermal do mundo e um dos mais importantes polos turísticos do Brasil. Por causa disso, a cidade fica lotada nos feriados e fins de semana. Por tanto, a melhor forma de desfrutar as piscinas de água quente é chegar na segunda ou terça-feira e ir embora na sexta. Nesse período, a cidade está vazia, as piscinas estão limpas, o atendimento é melhor, entre outras vantagens. Provavelmente, essa é a dica mais importante sobre Caldas Novas.

            Vou a Caldas desde a época que existiam poucas ofertas de hospedagem e várias vezes fomos para acampar. O Grupo Privê, um dos maiores e o mais antigo, era apenas um pequeno hotel com uma piscina quente no meio. O Grupo Di Roma, o maior grupo hoteleiro da região centro-oeste do Brasil, ainda estava começando suas atividades com apenas um hotel. Hoje, Caldas Novas tem mais de 80 hotéis, pousadas e condomínios com apartamentos para alugar por temporada.  Você encontra opções dos mais baratos aos mais sofisticados. O que todos têm em comum? Pelo menos uma piscina de água quente.

 

   Já nos hospedamos em vários lugares, mas ultimamente optamos pelo Di Roma Fiori, por vários motivos: Um deles é que parece uma vilazinha, com pequenas casas particulares e apartamentos em prédios de apenas 1 andar (um apartamento em cima e um embaixo), que mais parecem casinhas também. Os apartamentos são perfeitos para se hospedar em família, tem uma sala com uma bicama, um banheiro, uma estrutura com frigobar e TV para as crianças. Tem também um quarto com outro banheiro e outra TV, para acomodar o casal. O hotel tem piscinas quentes (é claro), toboáguas, sauna, recreação, restaurante e até massagem, que é muito boa.  Mal chegamos e as crianças já estavam na piscina, onde passamos o resto do dia.

            À noite, fomos comer em um lugar que vou desde criança, o Restaurante Bella Napoli na rua do parque de diversões. Eles oferecem um buffet self service, caldos, churrasco e rodizio de pizza por um preço bem justo por pessoa. O melhor horário pra ir é entre 7 e 8 horas da noite, para pegar a comida bem fresquinha e o restaurante vazio. Eles são bem atenciosos e estão muito acostumados a atender muita gente, mesmo assim, chegar cedo faz toda a diferença. O restaurante tem até bercinho para colocar seu bebê dormindo ao lado da mesa quando necessário.

            Depois de jantar fomos dar uma volta na Praça Mestre Orlando onde fica a Igreja Matriz, um monte de restaurantes para turistas e um chafariz que as crianças normalmente adoram. De lá fomos ao parque de diversões para um açaí na casquinha e me surpreendi com uma barraquinha com cara de foodtruck que vendia Churros Assados Goumert. Um churros que recebeu um “raio gourmetizador” e ficou maravilhoso, com opções de recheio, cobertura e granulado! Eu pedi recheio de brigadeiro, cobertura de doce de leite e granulado de ovo maltine...huuuumm!

            Além de escolher os dias de semana, o melhor período para ir para Caldas é entre os meses de maio e setembro, considerado a época de seca no centro-oeste, ou seja, pouquíssimas possibilidades de chuva. No entanto, nada é garantido, fomos em uma terça-feira de julho, e surpreendentemente, o céu estava nublado e com cara de que viria chuva.

            No dia seguinte, mais surpreendente ainda, amanheceu chovendo!!! Minha mãe chegaria à cidade com nossos sobrinhos para irmos juntos ao parque aquático Lagoa Quente. Também havíamos combinado com a Izabela, uma amiguinha da escola da Natália, cuja mãe o Monclair conhece desde criança, de nos encontrarmos lá também. Devido à água ser quente, a chuva não nos desanimou e mantivemos o plano de fazer o passeio. Outra dica legal é comprar o ingresso de meio período para a Lagoa, o único parque que oferece essa opção. Com esse ingresso, você só pode entrar a partir das 13:00, mas uma tarde lá é mais do que suficiente para aproveitar tudo que o lugar oferece e fica mais barato. Crianças com menos de 10 anos não pagam para entrar.

            Passamos a manhã no quarto do hotel curtindo uma típica “preguicinha” com as crianças, esperando o resto de a família chegar e o horário de ir para a Lagoa.

            A Lagoa Quente é um dos parques aquáticos que mais gostamos em Caldas, fica a 5km da cidade seguindo a estrada para Pires do Rio. Ganhou o prêmio do Trip Advisor em 2014 e 2015. Dizem que lá foi o local da descoberta das águas quentes e é o único lugar na cidade que a gente encontra uma fonte de água termal brotando do chão, o Poço do Cozinha Ovos. O poço tem esse nome por que a água chega à temperatura de 57°C e as pessoas cozinhavam ovos dentro para provar tais temperaturas.

       

         Por causa da chuva, não fomos ao poço, ficamos apenas nas piscinas e toboáguas. Combinamos com a Cinthia, mãe da Izabella e Mariana, de nos encontrarmos no quiosque próximo ao toboágua Furioso, um dos favoritos das crianças e também conhecido como Meduza. O Furioso tem três toboáguas diferentes caindo na mesma piscina e fica bem no centro do parque. Ao lado também da Anaconda, outro toboágua em forma de cobra, que precisamos usar uma bóia para duas pessoas para descer. É uma delícia, principalmente em dias vazios, por causa da fila. Além desses, têm outros toboáguas, piscinas temáticas, parquinho... Nós adultos nos divertimos como as crianças nesses lugares.

            Outra coisa legal da Lagoa Quente é que fica fora da cidade, no meio do cerrado, tem até uma área de camping que parece ser bem legal e um hotel também. Eles oferecem algumas opções de comida, nós sempre comemos o churrasquinho que vem acompanhado de arroz, farofa e vinagrete, um verdadeiro almoço. Além de algumas besteiras ao longo do dia.

            À noite nossa intenção era jantar no Nona Mia, outra tradição da minha família sempre que vamos para Caldas. O Restaurante Nona Mia é uma galeteria com rodizio de pizzas e massas onde tudo é delicioso. É um lugar para comer muuuuito! Conforme a gente vai comendo, eles vão repondo os pratos da mesa e ainda complementam com o rodizio de pizzas e massas. O atendimento é muito bom com decoração de cantina italiana e ambiente familiar, vale muito a pena. Infelizmente, desta vez não conseguimos ir depois de tanta chuva, piscinas e toboáguas, mas fica a dica! Outra dica é chegar cedo ou reservar mesa, mas chegando cedo o atendimento é ainda melhor.

            Elegemos Lagoa Quente, Acqua Park e Hot Park os melhores parques aquáticos de Caldas Novas. Ainda não conhecemos o Water Park, o parque do Grupo Privê, e acredito que seja bem legal também.

            Sempre vamos ao Di Roma Aqcua Park e essa era a programação para o dia seguinte. Mais uma vez reunimos todas as crianças para mais horas de diversão garantida para todas as idades. Piscinas quentes, navio Pirata, cavernas artificiais, bar molhado e muitos toboáguas.

            Pegamos uma mesa próxima ao Navio Pirata e de lá “pulávamos” de atração em atração. Uma das favoritas das crianças e adultos é um enorme vulcão artificial cheio de toboaguas, um mais radical que o outro.

            Uma das piscinas favoritas das crianças é a de ondas, que fica bem no centro do parque e tem a água menos quente, perfeita para refrescar em dias de muito calor. Tem também uma piscina, onde a água é mais fria, chamada Rio Lento, ela tem uma leve correnteza e usamos boias para dar a volta na piscina flutuando, passamos por dentro de cavernas e cacheiras artificiais.  Essa piscina fica aos pés do vulcão e dá a volta no navio pirata, é bem interessante.

 

            O Acqua Park possui dois restaurantes self service com preços justos e é uma boa opção para quem não quer sair do parque para almoçar. Tem lanchonetes e sorvetes também. Nós adoramos o pastel! Hospedes do Di Roma Fiori, assim como outros hotéis do grupo, tem direito a um dia no parque sem pagar entrada e toda consumação é paga no check out do hotel, comodidades que facilitam a vida.

            O Hot Park é um dos parques mais famosos e completos de Caldas, fica fora da cidade, em Rio Quente. Um médico fundou a Pousada do Rio Quente em 1964 por causa das propriedades medicinais da água quente. Hoje a “Pousada”, como conhecíamos quando crianças, é um grande complexo chamado Rio Quente Resorts e é nele fica o Hot Park. Dessa vez não fomos, por que é o ingresso mais caro de todos. Além de muitas piscinas de água quente, toboáguas leves e radicais, restaurantes, lanchonetes, o parque oferece também passeio de caiaque, mergulho de rio e tem uma piscina de ondas com chão de areia! É inacreditável! Algumas das atrações do parque são pagas a parte, é um lugar para ir preparado para mexer no bolso. Mas vale a pena ir para conhecer. #ficaadica

            À noite, levamos as crianças ao Parque de Diversões Kitakas, que foi reinaugurado em 2013. É um parque pequeno, mas cumpre bem o seu papel sendo uma boa opção de diversão para família toda. Tem desde um clássico carrossel ao Booster, um brinquedo super radical que atrai os adolescentes. Tudo em bom estado de conservação. Ao lado do parque, aos sábados, domingos e segundas, tem a Feira do Luar para quem encarar a cidade no fim de semana.

            No dia seguinte, sexta-feira, era hora de irmos embora, mas minha mãe ficaria até segunda-feira com nossos sobrinhos, então depois de muita insistência, decidimos ficar mais um dia,mas dessa vez nas piscinas do próprio hotel. As crianças ficaram na água até às oito da noite enquanto conversávamos e assistíamos aquela farra. Lembro que quando eu era criança uma das magias de Caldas Novas era ficar na piscina à noite e era um pouco nostálgico ver meus filhos fazendo a mesma coisa. Eu e minha irmã gostávamos tanto, que mesmo na adolescência, saíamos à noite e quando chegávamos, íamos para a piscina antes de dormir.

            No sábado de manhã levamos todas as crianças a um dos meus lugares favoritos em Caldas, o Jardim Japonês. Fica na estrada para Goiânia, ao lado do hotel Império Romano, pertinho de onde estávamos. O Jardim foi construído por um paisagista japonês na década de 80 onde era uma antiga fazenda e a casa está lá preservada, sendo a segunda casa mais antiga de Caldas Novas.

 

            Esse tipo de jardim, no século XIV era usado por monges budistas para seus momentos de meditação e oração. Cada coisa tem seu significado, a pedra da tartaruga no meio de uma das fontes, por exemplo, representa a longevidade. Uma das pontes, simboliza um ritual de passagem e assim vai.

            Os monges precisavam de lugares tranquilos e equilibrados, então usavam elementos da natureza, como as pedras, as plantas, a água e até animais, tudo em perfeita harmonia. Enquanto caminhávamos, lindos pavões soltos também passeavam pelo jardim. Chegamos bem perto de uma das avestruzes, que curiosa se aproximava dos turistas, ainda mais curiosos que ela.

            O Jardim Japonês possui guias treinados que explicam tudo direitinho e tiram uma foto sua sem compromisso, mas depois de tamanha atenção, a maioria das pessoas compra a foto. Dessa vez, dispensamos o guia, mas se for sua primeira vez, recomendo o passeio guiado.

            Voltamos ao hotel para deixar nossos sobrinhos com minha mãe e a pedidos, fizemos uma troca de crianças, Natália ficou até segunda-feira com minha mãe e Cauê (meu sobrinho) voltou conosco para Brasília.

 

            A principal dica sobre Caldas Novas foi não estar lá no fim de semana... Pois é, ficamos mais um dia, portanto era sábado, todos os lugares estariam lotados e as piscinas com cheiro de xixi... Então, aproveitamos a oportunidade para ir a um lugar que não conhecíamos: o Parque Estadual da Serra de Caldas Novas e ao invés de água quente, iriamos para uma cachoeira gelada! Pegamos a estrada para Goiânia até o primeiro trevo, onde viramos sentido Uberlândia e São Paulo, fica a 5 km de Caldas e tem placas indicando o caminho.

            O Parque foi criado em 1970 para proteger a área de captação de chuva que abastece o lençol termal, mas só em 1999 ele foi estruturado para receber visitantes. Logo que chegamos, fomos recebidos por um senhor de aproximadamente uns 50 anos, poucos dentes na boca, exibindo uma grande barriga. Ele, simpaticamente,  nos passou as regras e nos mostrou o mapa com as duas opções de trilhas – Cascatinha e Paredão. Optamos pela Cascatinha, uma trilha leve, mas recomendo tênis ou calçado confortável.

            A trilha é de mata fechada e por isso, bem sombreada, deixando a temperatura durante a caminhada bem agradável. Ficamos um bom tempo sozinhos na Cascatinha, uma pequena e agradável cachoeira no meio do mato, algo que parecia impossível em um sábado em Caldas Novas. Foram incríveis momentos de relax e contato com a natureza, tomando banho de água corrente e curtindo meu cerrado lindo.  Estava muito gostoso e só fomos embora porque fomos vencidos pela fome e não havíamos levado nada para comer. Já fica aí mais uma dica: Leve lanche, água e saco de lixo.

            Voltamos à cidade rapidamente para almoçar e voltamos para Brasília.

Para voltar pela BR 060, NÃO entre á direita depois do Posto de Gasolina Entre Trevos, apesar da placa. Essa é a estrada que vai por Luziânia, mais curta, mas mais perigosa e cansativa.

PARA FAZER MELHOR:

- Jante no Nona Mia

- Vá embora na sexta-feira

- Conheça o Hot Park e o Water Park

- Vá ao Poço Cozinha Ovos na Lagoa Quente

- Leve lanche para o Parque Estadual Serra de Caldas, ou vá mais cedo, para conseguir aproveitar as duas trilhas sem morrer de fome.

- O Parque Estadual da Serra de Caldas nem sempre está aberto para visitação, então é interessante uma ligada antes de ir: (64) 3453-5805

PRINCIPAIS DISTÂNCIAS:

  • Goiânia: 165km
  • Uberlândia: 179km
  • Brasília: 300km/380km
  • Belo Horizonte: 700km
  • São Paulo: 763km

Caldas Novas tem aeroporto e rodoviária interestadual.

LEIA TAMBÉM: